Seguidores

sexta-feira, 28 de junho de 2013

por Maria Helena P. Franco

O luto pela perda de uma pessoa amada é a experiência mais universal e, ao mesmo tempo, mais desorganizadora e assustadora que vive o ser humano. O sentido dado à vida é repensado, as relações são refeitas a partir de uma avaliação de seu significado, a identidade pessoal se transforma. Nada mais é como costumava ser. E ainda assim há vida no luto, há esperança de transformação, de recomeço. Porque há um tempo de chegar e um tempo de partir, a vida é feita de pequenos e grandes lutos e o ser humano se dá conta de sua condição de ser mortal, porque é humano.

"Você não pode evitar que os pássaros da tristeza voem sobre sua cabeça, mas pode evitar que eles construam ninhos em seus cabelos." 

(provérbio chinês).

 fonte: 4estacoes

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Apenas um passo







Não importa há quanto tempo você esteja andando para o Norte - com apenas um passo você é capaz de andar para o Sul.
O que é preciso para dar uma volta de 180º na sua vida?
Apenas um passo.
Você está a apenas um passo de uma dieta mais equilibrada, a um passo de melhorar suas finanças pessoais, a um passo de ser um profissional muito melhor, a um passo de ter um relacionamento mais gratificante.
Daqui a um minuto, seus piores problemas podem estar todos atrás de você, ao invés de estarem na sua frente.
Com apenas um passo, o melhor dia da sua vida pode ainda estar por vir, e não estar perdido em algum lugar do passado distante. Num instante, todas as energias negativas na sua vida podem ser redirecionadas para alguma coisa positiva.
Apenas um passo é necessário para romper essa inércia, e dar à sua vida o rumo que você realmente gostaria que ela tivesse.

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Homens que choram




A tristeza de Roberto Carlos expõe as dificuldades dos viúvos em superar o luto e reconstruir a vida longe das mulheres que amam
A emoção turvou-lhe a voz. Com cabelos mais grisalhos, olhos úmidos e semblante abatido, Roberto Carlos estampava no rosto a dor causada pela perda da mulher, Maria Rita, morta de câncer há quase um ano. “Tenho chorado muito, mas evito a depressão”, disse no sábado 11, horas antes de pisar no palco do Estádio Geraldão, no Recife. O show marcou a retomada da carreira depois de um longo período de luto e recolhimento. “Estou fazendo o que Maria Rita, meu ‘bichinho’, quer que eu faça”, declarou. Entre aplausos, silêncios respeitosos e lágrimas das fãs que lotaram o estádio, ele entoou uma canção inédita: ”Amor sem Limite”, homenagem à mulher. “Essa é a música mais importante de minha vida”, disse. “Descobri que o amor sem limite é a medida certa do amor.” No fundo do palco, telões projetavam imagens de uma sorridente Maria Rita. Ao tentar superar a viuvez, o Rei expõe o avesso de um drama íntimo, muitas vezes abafado por conveniências sociais. Mescla o sentimento de perda com a saudade que não passa e a impotência diante do fato consumado.
O sofrimento é intenso e duradouro. A morte do parceiro conjugal é um dos momentos de estresse mais intensos que um ser humano pode enfrentar. Abala mais que divórcio, prisão ou morte de um parente próximo, segundo uma escala usada como referência terapêutica, organizada pelos psicólogos americanos Thomas Holmes e Richard Rahe. O baque da viuvez parece ser mais devastador entre os homens que entre as mulheres. “Não é que sintam mais. Como eles têm maior dificuldade em pedir ajuda e mostrar os sentimentos, tornam o luto mais complicado”, explica a psicóloga Maria Helena Bromberg, supervisora do Laboratório de Estudos e Intervenções sobre o Luto da PUC de São Paulo. A convivência com a solidão também é mais hostil na viuvez masculina. Homens vivem menos que as mulheres – no Brasil, a diferença, em média, chega a sete anos. Portanto, foram culturalmente preparados para deixar viúvas. Elas, em contrapartida, ao perder o parceiro, encontram conforto mirando-se no exemplo de mães, avós e amigas que passaram pela mesma situação.
“Contava morrer antes dela, porque não acharia ninguém que melhor me ajudasse a morrer”, disse o escritor Machado de Assis em 1904, quando perdeu Carolina, companheira por 35 anos. Machado imortalizou a dor da viuvez num poema dedicado à mulher:
Trago-te flores, restos arrancados
Da terra que nos viu passar unidos
E ora mortos nos deixa e separados.
“A mulher sabe lidar melhor com essa separação imposta”, concorda o arquiteto Fernando Coimbra Santos, de 53 anos, viúvo de Eliana, que morreu de câncer há dez anos. A sogra o ajudou a organizar a casa e a educar as três filhas. Mesmo assim, Santos teve de assumir tarefas que jamais fizera, como passar roupa e ir à feira. Ele ainda mantém em casa objetos que comprou com a companheira. Demorou seis anos para entabular um relacionamento sério. “Minha noiva é maravilhosa, mas até ela diz que Eliana foi a mulher de minha vida.”
A dificuldade do homem em enfrentar a viuvez também transparece nos problemas de saúde. Estudos apontam que os viúvos apresentam mais sintomas físicos de doenças e ficam deprimidos por mais tempo se comparados às viúvas e aos homens da mesma idade que não perderam a esposa. “Eles não demonstram emoções e tendem a somatizar o luto”, afirma a psicóloga Neli Klix Freitas, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Durante cinco anos, Neli acompanhou o primeiro ano de luto de 150 viúvos e 150 viúvas. Constatou que os homens tinham três vezes mais problemas cardiovasculares.
O trunfo para superar o luto, dizem os especialistas, é encarar a tristeza, inclusive falando sobre a pessoa morta. Viúvo há dois anos, o ex-beatle Paul McCartney assumiu recentemente uma aguerrida militância pelos direitos dos animais. Até participa de passeatas para arrecadar fundos. A causa era defendida pela mulher, Linda, que morreu de câncer. Ele a homenageou no CD A Garland for Linda (Uma Grinalda para Linda). O luto durou até o início deste ano, quando começou a namorar a modelo Heather Mills.
O jurista Miguel Reale, de 90 anos, sentiu-se impelido a escrever sobre a mulher, Filomena, com quem vivia desde a década de 30. Em 1998, perdeu a companheira e fez para ela um soneto intitulado Eterna Juventude. Também escreveu um artigo sobre amor e morte, publicado no ano passado pelo jornal O Estado de S. Paulo. O texto arrebatado termina assim: Não mais porás teus olhos nos meus olhos. Mas nos veremos pelo tempo afora pelos olhos do nosso eterno amor.
Segundo Maria Helena Bromberg, é comum os homens disfarçarem o sofrimento mergulhando no trabalho. O engenheiro Michael Bauer, de 37 anos, garante que essa terapia o ajudou a se recuperar da perda de Cornelia, com quem namorou por dez anos e ficou casado durante um ano e meio. Ela morreu em 1996, na queda do Fokker 100 da TAM, perto do Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. “Estava numa reunião na fábrica quando me ligaram avisando do acidente. Eu sabia que ela estava no vôo”, lembra. Foi golpeado pela dor ao chegar em casa e deparar, pela primeira vez, com o armário repleto de roupas da mulher. “Mantenho contato com os pais dela até hoje. Isso me ajuda a superar o trauma”, admite. Entre as 99 vítimas do acidente, apenas seis mulheres deixaram viúvos. Todos já se casaram, inclusive Bauer. Ele começou a sair mais com os amigos depois do acidente para não ter de ficar em casa sozinho. Assim acabou conhecendo Márcia, a atual companheira.
O advogado Pedro Sérgio Costa Lima, de 42 anos, acompanhou o desabafo do Rei na volta aos palcos e identificou-se com a situação. “Roberto Carlos disse que a fé não remove montanhas da forma como imaginava”, diz Lima, viúvo desde 1994. “Quando tudo aconteceu, passei três dias deitado na cama me sentindo enganado por Deus.” A mulher, Daisy, morreu aos 36 anos, vítima de câncer no seio. O advogado desmoronou. “Chorava até quando não conseguia colocar o lixo na rua antes de o caminhão passar”, recorda-se. Encontrou força para reerguer-se nas filhas, Juliana e Keila, hoje adolescentes. Não se casou novamente. Reconhece que só agora a viuvez começa a deixar de pautar sua vida afetiva. “Demorei a perceber que não tive culpa pela morte de Daisy e, enfim, mereço continuar vivo.”
Paula Pereira, com Sérgio Adeodato, do Recife, e Cilene Guedes, do Rio

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Só depende de nós...



"Hoje levantei cedo pensando no que tenho a fazer antes que o relógio marque meia noite. É minha função escolher que tipo de dia vou ter hoje. 

Posso reclamar porque está chovendo ou agradecer às águas por lavarem a 
poluição. Posso ficar triste por não ter dinheiro ou me sentir encorajado para administrar minhas finanças, evitando o 
desperdício. Posso reclamar sobre minha saúde ou dar graças por estar vivo. 

Posso me queixar dos meus pais por não terem me dado tudo o que eu queria ou posso ser grato por ter nascido. Posso reclamar por ter que ir trabalhar ou agradecer por ter trabalho. Posso sentir tédio com o trabalho doméstico ou agradecer a Deus por ter um teto para morar. 

Posso lamentar decepções com amigos ou me entusiasmar com a possibilidade de fazer novas amizades. Se as coisas não saíram como planejei posso ficar feliz por ter hoje para recomeçar. 
O dia está na minha frente esperando para ser o que eu quiser. E aqui estou eu, o escultor que pode dar forma. 

Tudo depende só de mim." 

fonte : http://www.grupocasulo.org/