Seguidores

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

O QUE APRENDEMOS QUANDO UM NOVO ANO INICIA

Lição de Ano Novo



Aprendemos que, por pior que seja um problema ou situação, sempre existe uma saída.
Aprendemos que é bobagem fugir das dificuldades. Mais cedo ou mais tarde, será preciso tirar as pedras do caminho para conseguir avançar.
Aprendemos que perdemos tempo nos preocupando com fatos que muitas vezes só existem na nossa mente.
Aprendemos que é necessário um dia de chuva para darmos valor ao Sol, mas se ficarmos expostos muito tempo, o Sol queima.
Aprendemos que heróis não são aqueles que realizam obras notáveis, mas os que fizeram o que foi necessário e assumiram as consequências dos seus atos.
Aprendemos que, não importa em quantos pedaços nosso coração está partido, o mundo não pára para que nós o consertemos.
Aprendemos que, ao invés de ficar esperando alguém nos trazer flores, é melhor plantar um jardim.
Aprendemos que amar não significa transferir aos outros a responsabilidade de nos fazer felizes. Cabe a nós a tarefa de apostar nos nossos talentos e realizar os nossos sonhos.
Aprendemos que o que faz diferença não é o que temos na vida, mas QUEM nós temos nessa vida. E que boa família é os amigos que escolhemos.
Aprendemos que as pessoas mais queridas podem às vezes nos ferir. E talvez não nos amem tanto quanto nós gostaríamos, o que não significa que não amem muito, talvez seja o máximo que conseguem. Isso é o mais importante.
Aprendemos que toda mudança inicia um ciclo de construção, se você não esquecer de deixar a porta aberta.
Aprendemos que o tempo é precioso e não volta atrás. Por isso, algumas vezes não vale a pena resgatar o passado. Devemos pensar nele com muita saudade e que nos serviu de lição e de aquisição de experiências boas e ruins, doces e amargas, felizes e tristes. Mas o que vale a pena é tentar lutando e com esperança em construir o futuro.
O nosso futuro ainda está por vir.
Então aprendemos que devemos descruzar os braços e vencer o medo de partir em busca dos nossos sonhos ou parte deles que se perderam pelas dores, desilusões e perdas. Temos que sonhar de outra forma acreditando que o futuro à Deus pertence e que somos seus filhos amados e que nenhum pai quer ou deseja o mal aos seus filhos.
FELIZ E ILUMINADO ANO NOVO A TODOS. QUE VENHA 2012 ABENÇOADO.
(Texto: Mensagens Diárias – modificado por Liane T. Caron)

sábado, 24 de dezembro de 2011

NATAL SOLIDÁRIO 2011





É com muita alegria, que nós, Amigos Solidários na Dor do Luto, realizamos mais uma vez a entrega de cestas de alimentos e guloseimas neste Natal de 2011, aos catadores de papel de Curitiba.











Com a ajuda e contribuição de todos, pudemos tornar a ceia de Natal de 75 famílias mais digna neste ano.





























Obrigada pela ajuda de todos, sem vocês isso não seria possível.
FELIZ NATAL A TODOS!
Zelinda de Bona


sexta-feira, 23 de dezembro de 2011





25 de dezembro de 2011 

É o dia em que comemoramos o Natal – é o nascimento de Jesus Cristo. 
Na antiguidade, o Natal era comemorado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão a data do nascimento de Jesus. Foi somente no século IV que o 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial de comemoração. 

Em quase todos os países do mundo, as pessoas montam árvores de Natal para decorar casas e outros ambientes. 
O presépio também representa uma importante decoração natalina. Ele mostra o cenário do nascimento de Jesus - uma manjedoura, os animais, os reis Magos e os pais do menino. Esta tradição de montar presépios teve início com São Francisco de Assis, no século XIII. As músicas de Natal também fazem parte desta festa. 
O Papai Noel, a figura do bom velhinho foi inspirada num bispo chamado Nicolau, que nasceu na Turquia em 280 d.C. O bispo, homem de bom coração, costumava ajudar as pessoas pobres, deixando saquinhos com moedas próximas às chaminés das casas. 

E nós que perdemos os filhos como enfrentar esta data? 
Sabemos que não é a mesma motivação para comemorar qualquer data. O conceito sobre comemorações, felicitações mudaram. O ânimo para festas fica alterado. Estes são muito diferentes do que já foi um dia. 
É claro que se comemora, que se sente alegria, mas falta um pedaço, nada mais é completo e por mais que se tente, falta uma pessoa importante, amada e que não é esquecida. 
O convite dos amigos e familiares é sempre bem vindo. Não exija de você uma felicidade plena, uma alegria transbordante. O seu comportamento não será o mesmo de antes. 
Procure ficar sereno. Só isso e ... FELIZ NATAL 


fonte: grupo casulo

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011





"Jamais desconsidere a maravilha das suas lágrimas. Elas podem ser águas curativas e uma fonte de alegria. Algumas vezes são as melhores palavras que o coração pode falar. 

O perdão existe em 1º lugar para aquele que perdoa,para libertá-lo de algo que vai destruí-lo, que vai acabar com sua alegria e capacidade de amar integral e abertamente... 

Perdoar não significa esquecer. 

Só porque você acredita firmemente numa coisa não significa que ela seja verdadeira. 

Bom, ás vezes a vida é dura, mas eu tenho muita coisa para agradecer.” 
(frases o livro A Cabana de William P. Young)

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

É preciso ter coragem



        Se nos interrogamos sobre o caminho que devemos percorrer depois da dolorosa partida dos nossos filhos é o nosso interior a pedir tréguas para tanto sofrimento. Afinal não ficamos vazios porque a nossa mente está pedindo ajuda à Vida.
        É necessário compreender o universo e o mundo onde habitamos para que as nossas interrogações tenham resposta. Os nossos filhos não foram um sonho... Partiram mas transformaram-se em estrelas brilhando no nosso interior cheias de amor por nós.
         Continuarmos a sentir Amor é a nossa salvação. O Amor é uma palavra que se usa e abusa mas, no entanto... o Amor, penso que quase todos estamos de acordo, faz girar o mundo. Hoje, unidos nesta tão grande perda sabemos, mais do que nunca, quanto a vida é preciosa. Quando permitimos que esse sentimento ganhe expressão, em todo o seu esplendor, sentimos um grande conforto e uma vontade imensa de continuarmos a projetar a nossa vida para o caminho da paz e serenidade.
        É urgente acreditar. É necessário libertar a ira, o desespero, o medo ou a culpa para que o conforto da fé permaneça nos nossos corações.
        Sinto que é tudo mais simples quando deixamos de dizer “Não vale a pena...”; “Não resisto à dor...”;”É tarde...”; “Não consigo...”.
        O nosso equilíbrio da mente e do corpo é alcançado quando passamos a ter coragem de nos levantarmos todas as manhãs para irmos à luta levando os nossos filhos connosco.
        É preciso ter coragem para continuar... 
                                                                                                    Aida Nuno

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Luto precisa ser vivido



Por Luís César Ebraico

Faz pouco tempo, fui procurado em minha clínica por uma senhora de 82 anos, com quem entabulei o seguinte diálogo:
SENHORA: - Doutor, soube de algumas coisas que o senhor tem falado nas palestras que deu na UNIRIO e quis vir aqui lhe fazer uma pergunta.
EU: - Pois não, faça.
SENHORA: - Não. Antes quero relatar algumas coisas.
EU: - À vontade.
SENHORA: - Doutor, quando eu tinha sete anos de idade, morreu uma pessoa de minha família. Os parentes vestiram-se de preto e as demais pessoas mantiveram uma distância respeitosa dos que estavam de luto.
EU: - Sim.
SENHORA: - Depois, quando fiz dezoito, morreu outra. Percebi que poucos se vestiram de preto. A maioria dos homens, por exemplo, colocou apenas uma tarja preta na lapela de seus ternos. Mais uma dúzia de anos, e morreu outra. Aí, nem tarja na lapela. Pois bem, eu casei aos dezessete anos. Meu marido foi o único homem de minha vida e eu fui extremamente feliz com ele, que faleceu faz quatro meses. Um mês depois, nosso único filho se suicidou. E as pessoas estão me pressionando para que eu não fique triste, não chore, me distraia e "fique bem". Agora eu posso fazer a pergunta.
EU: - Qual é a pergunta?
SENHORA: - É a seguinte: o que houve com as pessoas? Eu estou maluca ou TODO MUNDO FICOU IDIOTA?
EU: - Não, minha senhora, a senhora não está maluca, TODO MUNDO FICOU IDIOTA.
SENHORA: - Ah, eu já desconfiava. Só queria confirmar. Obrigado, doutor.
E a velhinha, que, por tudo que me relatou, havia vivido uma vida feliz e saudável, nunca mais voltou a meu consultório... E, no que diz respeito à própria saúde, ela tinha razão: só podendo sentir completamente a dor de nossas perdas podemos seguir inteiros nossa caminhada. Voltarei sobre isso.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Meu filho mostra-me o caminho


  Se pudéssemos aceitar a morte do nosso filho...Se conseguíssemos entendê-la sem enlouquecer de angústia... Vamos para sempre ser vulneráveis a esta perda. A nossa vida passa correndo mas com a dor torna-se espessa e vagarosa até ao dia em que percebemos que o tempo não tem tempo.
 
        Passam os anos e quando paramos para lembrar parece que foi ontem. Reparem: Ao olharmos para trás já nem nos lembramos de como éramos em crianças...Da nossa adolescência ficaram só pequenos pontos na nossa memória. Tudo é lembrado, por vezes, por fotos guardadas pelos nossos pais ou por nós. É angustiante ficar para sempre interrogando como seria se... Não há retorno...não podemos resolver nada do passado...é como um copo partido, nunca mais nele podemos saciar a nossa sede, mas, a água continua a dar-se através de outros copos ou mesmo com as nossas mãos em concha. É tudo uma questão de vontade.
 
        Sinto, por vezes, uma dor muito fina quando lembro e sinto viva a ausência desse filho que tanto amei e  então simplesmente fujo... Quero que ele esteja em mim como uma criança que constantemente me mostra o caminho mais simples para continuar:.a serenidade, o amor, a amizade.
 
        Tudo é efémero... É preciso acreditar que a tranquilidade virá. Venceremos um dia a distância...é preciso dar tempo.
 
         Eu estou aqui esperando por todos vós para dar o meu apoio. É preciso acreditar num futuro cheio de vontade de melhor fazer, de melhor estar com todos. Com o ausente e pelo ausente sejamos solidários com o mundo.
 
 
Aida Nuno

sábado, 10 de dezembro de 2011

Saber morrer




Morrer. Desse destino, nenhum ser humano escapará. E, no entanto, como tememos esse momento! Com que dor a maioria de nós pensa no instante da morte.

É que fomos ensinados a temer a morte. Ela nos é apresentada como sinônimo de lágrimas, instante de trevas, definitiva separação dos seres amados.

Abismo e tristeza. Aprendemos que a morte se faz de luto e mistérios, névoa e saudade.

Mas é preciso se preparar para a chegada da hora final. Afinal, a cada dia se reduz nossa estada na Terra.

Desde que nascemos, cada respiração assinala a diminuição de nosso tempo no planeta.

Porque o ritmo da vida material nos envolve, quase sem perceber, deixamos de lado a lembrança de que caminhamos mais um passo em direção à morte.

O fim é apenas do corpo físico, pois a alma - a essência do que somos - esta existirá para sempre. Os séculos correrão, mas nós... Nós sobreviveremos.

Nessa longa estrada que é a vida, muito iremos aprender. Outros amores, parentes, lugares e situações irão enriquecer a nossa experiência.

E muitos outros corpos servirão de instrumento para o nosso aprendizado.

Por isso, nada de demasiado apego ao corpo. Ele é importantíssimo, mas é uma ferramenta de trabalho. Nele temos apenas um auxiliar para a nossa educação.

Com a ajuda desse corpo, vivemos na Terra, construímos uma família e nos relacionamos com outros seres humanos. Ele é essencial para a vida em sociedade que burila o nosso Espírito.

É que no contato com as outras pessoas temos a oportunidade de exercitar paciência, tolerância, solidariedade e ética.

Enfim, pôr em prática gestos e situações que são puras manifestações de amor.

E não é esse o objetivo maior de nossa vida: descobrir, exercitar e vivenciar o amor?

Nada há a temer na morte quando a vida é plena em amor, quando os dias são perfumados pela bondade, quando a consciência é reta e o dever cumprido.

Quem vive assim - de coração sossegado e plantando alegrias - aguarda que a vida cumpra seu ciclo natural.

Para este, a hora da morte é serena. Abrirá os portais de um mundo novo, cheio de descobertas: a Casa do Pai Celeste.

Um homem de bem morre como alguém que descansa após um dia de trabalho bem feito. Não tem apego a nada, pois sabe que deve devolver a Deus tudo o que recebeu.

A renovação é a regra geral da natureza. Quando a morte chega é a hora de devolver ao mundo o corpo frágil, que se misturará às águas e à terra.

Será consumido, alimentará microorganismos. Outros seres viverão a partir dali.

E o homem que usou aquele corpo estará longe: abrirá os braços para o infinito. Seus olhos contemplarão estrelas, luzes, cores e formas nunca sonhadas.

Seguirá com o coração em festa. Pronto para novas experiências, disposto a aprender e a amar.

É hora de partir, meus irmãos, minhas irmãs.

Eu já devolvi as chaves de minha porta

E desisto de qualquer direito à minha casa.

Fomos vizinhos durante muito tempo

E recebi mais do que pude dar.

Agora vai raiando o dia

E a lâmpada que iluminava o meu canto escuro, apagou-se.

Veio a intimação e estou pronto para a minha jornada.

Não perguntem o que levo comigo:

Sigo de mãos vazias e coração confiante.