Seguidores

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Cada pessoa é única



As teorias sobre a duração das fases do luto são apenas teorias. 
São simplesmente um guia que ajuda saber em que estágio nos encontramos. 
Cada pessoa é única e deve escolher o seu próprio ritmo. 

É preciso saber que o nosso luto é só nosso. Ninguém jamais o viveu ou poderá viver por nós. É à nossa maneira e ao nosso ritmo que teremos que o resolver. 

Muitas vezes, os familiares e amigos têm tendência a nos impor uma determinada forma de fazer a nossa caminhada. 
Alguns, incapazes de suportar o sofrimento, diz-nos que é para não chorar, para tentar, esquecer, para aceitar... 

Não precisa dar ouvido a uns e a outros. Nem sempre eles entendem da nossa dor. 
Você mesmo tem condições de saber se está no caminho certo da cura. 

Como saber isso? 
Quando: 
Queixo-me menos da minha dor. 
Começo a ter interesse pelo que me rodeia. 
Os meus pensamentos são mais claros. 
Julgo com mais segurança. Há maior constância naquilo que sinto. 
Voltei a me concentrar. 
Tenho mais interesse pelo trabalho. 
Sinto um novo gosto pela vida. 
Redescobri um livro que já tinha esquecido há muito tempo. 
Surpreendi-me a rir com uma cena de um filme à qual, anteriormente, não acharia graça nenhuma. 

Quando você sentir que está tomando consciência destas alterações, então, pode dizer: 
”Eu estou no bom caminho." 

Jean Monbourquette 

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Até Eu Vir Buscá-lo Outra Vez


Este texto de autor desconhecido que foi traduzido do inglês há alguns anos foi de grande consolo para mim que perdi um filho e acredito que também será de consolo para você,
Wilson Franzoni...



Até Eu Vir Buscá-lo Outra Vez

"Emprestarei a vocês este filho querido
Por um tempo" - ouvimos Deus dizer -
"Para que o amem enquanto tiver vivido,
E o chorem se vier a a morrer."

"Talvez por dois anos, quatro, ou cinco até,
Ou quem sabe, chegue a vinte e três,
Seja o que for, Meu pedido agora é:
Podem cuidar dele até eu vir buscá-lo outra vez?"

"O seu jeito de ser lhes trará horas gostosas,
E se sua estadia acaso mui breve for,
Vocês ficarão com lembranças preciosas,
Como um consolo para a vossa intensa dor."

"Que ele ficará com vocês, não posso prometer,
Já que tudo, da Terra, precisa voltar,
Porém há lições para ele aí aprender,
Que de outro modo nunca iria assimilar."

"Eu procurei por todo o mundo, a buscar,
Pessoas aptas que pudessem ensiná-lo,
E das multidões que estão na vida a caminhar,
Achei que só vocês poderiam ajudá-lo."

"Será que poderiam dar a ele todo o amor,
Sem pensarem ser trabalho em vão,
E nem se ressentirem contra Mim quando Eu for
Aí buscá-lo, para tê-lo comigo então?"

"Creio haver ouvido de vocês a oração:
Amado Senhor, seja feito o Teu querer;
Pelo gozo que este filho possa trazer então,
Correremos o risco de tal dor sofrer."

"O cobriremos de amor, terno e permanente;
A ele vestiremos de carinho e bondade;
E a Ti ficaremos gratos agora e eternamente,
Pois nos fizeste conhecer felicidade."

"E se chegar a hora que o quiseres chamar,
Antes até do que havíamos planejado,
A dor que virá, procuraremos enfrentar,
E compreender que isto foi o Teu cuidado."

(Autor desconhecido)

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Saúde: ALERTA


07/11/2010 - 16h02
DÉBORA MISMETTI
EDITORA ASSISTENTE DE SAÚDE

"Vamos esperar os cadáveres para agir contra o celular?", questiona pesquisadora




Folha - Quais os riscos para a saúde de quem usa celular?

Devra Davis
 - Se você segurá-lo perto da cabeça ou do corpo, há muitos riscos de danos. Todos os celulares têm alertas sobre isso. As fabricantes sabem que não é seguro. Os limites [de radiação] definidos pelo FCC [que controla as comunicações nos EUA] são excedidos se você deixa o celular no bolso.

Quais os riscos, exatamente?
O risco de câncer é muito real, e as provas disso vão se avolumar se as pessoas não mudarem a maneira como usam os telefones. Trabalhei nas pesquisas sobre fumo passivo e amianto. Fiquei horrorizada ao perceber que só tomamos atitude depois de provas incontestáveis de que danificavam a saúde.
Reconheço que não temos provas conclusivas nesse momento. Escrevi o livro na esperança de que meu status como cientista tenha peso, e as pessoas entendam que há ameaça grave à saúde e podemos fazer algo a respeito.

Mas há estudo em humanos que dê provas categóricas?
Quando você diz "provas", você quer dizer cadáveres? Você acha que só devemos agir quando já tivermos prova? Terei que discordar. Hoje temos uma epidemia mundial de doenças ligadas ao fumo. O Brasil também tem uma epidemia de doenças relacionadas ao amianto. Só recentemente vocês agiram para controlar o amianto no Brasil, apesar de ele ainda ser usado. Ninguém vai dizer que nós esperamos o tempo certo para agir contra o tabaco ou o amianto. Estou colocando minha reputação científica em risco, dizendo: temos evidências fortes em pesquisas feitas em laboratório mostrando que essa radiação danifica células vivas.

Qual a maior evidência disso?
A radiação enfraquece o esperma. Sabemos por pesquisas com humanos. As amostras de esperma foram dividas ao meio. Uma metade foi mantida sozinha, morrendo naturalmente. A outra foi exposta a radiação de celulares e morreu três vezes mais rápido. Homens que usam celulares por quatro horas ao dia têm a metade da contagem de esperma em relação aos demais.

Crianças correm mais perigo?
O crânio das crianças é mais fino, seus cérebros estão se desenvolvendo. A radiação do celular penetra duas vezes mais. E a medula óssea de uma criança absorve dez vezes mais radiação das micro-ondas do celular. É uma bomba-relógio. A França tornou ilegal vender celular voltado às crianças. Nos EUA, temos comerciais encorajando celular para crianças. É terrível. Fico horrorizada com a tendência de as pessoas darem celulares para bebês e crianças brincarem. Sabemos que pode haver um vício no estímulo causado pela radiação de micro-ondas. Ela estimula receptores de opioides no cérebro.

Jovens usam muitos gadgets que emitem radiação.
Sim, e eles não estão a par dos alertas que vêm com esses aparelhos. Não é para manter um notebook ligado perto do corpo. As empresas colocam os avisos em letras miúdas para reduzir sua responsabilidade quando as pessoas ficarem doentes.

É possível comparar a radiação de celular à fumaça?
Sim. O tabaco é um risco maior. Mas nunca tivemos 100% da população fumando. Agora, temos 100% das pessoas usando celular. Então, ainda que o risco relativo não seja tão grande, o impacto pode ser devastador.

Nos maços de cigarro, há aquelas fotos horríveis. Esse é o caminho para o celular?
Isso é o que foi proposto no Estado do Maine (EUA). Está se formando um grande movimento para alertar as pessoas a respeito dos celulares. Isso é o que aconteceu com o fumo passivo. Vamos começar a ver limites para a maneira e os locais onde as pessoas usam celular. A maioria não sabe que, se você está tentado conversar num celular em um elevador, a radiação está rebatendo nas paredes e fica mais intensa em você e em quem estiver perto.

Além de usar fones, o que é possível fazer para prevenir?
Enviar mensagens de texto é mais seguro do que falar. Ficar com o celular nas mãos, longe do corpo, é bom, e mantê-lo desligado também.

Mas celular é um vício!
Sim. Temos que usá-lo de forma mais inteligente.

fonte: Folha de SP


Dez maneiras de evitar o contato com a radiação do celular

Por Mariana Montenegro 
Viver sem um aparelho celular nos dias de hoje é difícil de imaginar. Estudos recentes realizados por especialistas daOrganização Mundial da Saúde e da Agência de Investigação do Câncer dos Estados Unidos estão trazendo resultados preocupantes em relação ao uso contínuo do celular, que pode chegar a provocar câncer no cérebro. Logo, o que podemos fazer para evitar entrar em contato com essa radiação?



Listamos dez dicas para que você não precise jogar seu celular fora e possa viver normalmente sem medo do seu aparelho.E abaixo, conheça os dez celulares que mais emitem radiação e os dez que menos emitem.
1. Use um fone de ouvido ou a função viva-voz para que o celular fique a uma certa distância de sua cabeça.
2. Sempre que puder, mande mensagens de texto em vez de fazer ligações. As mensagens requerem menos energia e também mantêm o dispositivo longe da cabeça.
3. Evite utilizar o celular em áreas com cobertura baixa, uma vez que o telefone emite mais radiação se o sinal for fraco. Usá-lo em áreas com boa recepção diminui a exposição pois permite que o telefone transmita com menor potência.
4. Procure comprar aparelhos e dispositivos que emitam menor quantidade de radiaçãoVeja abaixo o que isso significa e uma lista com os 10 modelos que mais emitem radiação e os 10 que menos emitem.
5. Limite a exposição das crianças ao tempo de conversação nesses aparelhos.
6. Não carregue o aparelho junto ao seu corpo. Mesmo que não esteja sendo usado, o ideal é deixar na bolsa ou na mochila.
7. Não deixe o celular sob o travesseiro enquanto você dorme, pois ele não deixa de emitir radiação eletromagnética.
8. Prefira utilizar programas específicos para efetuar ligações como o Skype e o Windows Live Messenger através de rede Wi-Fi.
9. Se usar o telefone sem um fone de ouvido, aguarde a chamada se completar antes de colocar o telefone próximo ao ouvido. Outra opção é manter o celular desligado e só ligar para verificar se recebeu alguma nova chamada.
10. Não utilize o telefone celular em espaços fechados de metal, tais como veículos ou elevadores, onde o dispositivo pode emitir mais radiação para estabelecer a conexão. O gabinete de metal também funciona como uma parede que retém a radiação e reflete de volta para os ocupantes.
ENTENDA O NOSSO LIMITE DE EXPOSIÇÃO À RADIOFREQUÊNCIA
Os limites de exposição à radiofreqüência para usuários de aparelhos celulares são chamados de Taxa de Absorção de Radiofreqüência de energia por unidade de massa do corpo (SAR), que correspondem ao nível de radiação limite que o corpo pode receber de um telefone móvel.
O limite permitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) é de 1,6 SAR. É importante verificar com os fabricantes se o aparelho que você possui emite uma taxa mais alta que este valor, o que pode ser perigoso para você e para sua família.
Uma matéria feita pela revista Exame, da editora Abril, divulgou os principais aparelhos celulares do momento e seus níveis de SAR. Confira abaixo.
Veja quais são os modelos com os maiores SARs, que emitem mais radiação:
ModeloSAR
1. Motorola Bravo1,59
2. Motorola Droid 2 Global1,58
3. Sony Ericsson Satio1,56
4. Sony Ericsson X10 Mini Pro1,55
5. Nokia Astound/C71,53
6. Motorola Defy1,52
7. Motorola Droid1,49
8. Motorola Droid 21,49
9. HTC Desire1,48
10. Motorola Atrix1,47

Modelos com menores SARs, que menos emitem radiação:
ModeloSAR
1. Samsung Infuse 4G0,2
2. Samsung Acclaim0,29
3. Samsung Replenish0,3
4. Huawei Ideos X50,34
5. Samsung Sidekick 4G0,34
6. LG Quantum0,35
7. Samsung Captivate0,42
8. HTC Surround0,439
9. Motorola Devour0,45
10. HTC Imagio0,498

Em tempo, os modelos populares o iPhone, BlackBerry ou Samsung Galaxy S não aparecem na lista dos 10 maiores emissores. Isso significa que eles estão na média, com SAR entre 1,17 e 1,18 para iPhone 4; 1,1 e 1,3 para BlackBerry Curve; e 0,9 para Galaxy S 4G.