Seguidores

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

3 maneiras de lidar com a dor da perda que não aconteceu



Submetido em Desafios da Vida por  Nancy L. B. Lundgreen em 2 março 2013 

Ao longo de muitos anos, o meu pai teve uma série de crises de saúde que o deixou em coma. Como um gato com nove vidas, todas às vezes ele sobreviveu milagrosamente. Embora gratos por cada resultado, um temido sentimento sombrio antecipado fixou-se em meu coração. Eu comecei a experimentar sentimentos de montanha-russa em cada crise, de desespero para a pura alegria, acompanhada por quantidades esmagadoras de emoção cada vez que eu o visitava. Sem que eu soubesse, eu estava sofrendo de dor antecipatória.

Dor antecipatória é estar reagindo a uma perda que ainda não aconteceu, como uma eventual saída de uma criança para a faculdade ou morte inevitável de um pai. É essencialmente pré-luto. Ela pode manifestar-se quando um ente querido é diagnosticado com uma doença fatal, ou durante períodos felizes de "lua de mel" quando tudo parece estar indo maravilhosamente bem, e você quer que nunca acabe.

Os sintomas mais comuns da dor antecipatória são momentos de profunda emoção, medo do futuro, aumento da ansiedade como a aproximação "do fim", e, ocasionalmente, culpa. As fases habituais de dor podem estar presentes, bem como - negação, barganha, raiva, desespero e aceitação, conforme estabelecido por Elizabeth Kubler-Ross Em, A Morte e o Moribundo, 1973 (1973, On Death and Dying). Os sintomas podem, no entanto, ocorrer repetidamente ou em ordem diferente, ou durar mais tempo, devido à natureza das circunstâncias.

Os membros da família que estão apoiando um ente querido com uma doença terminal muitas vezes experimentam a dor antecipatória e às vezes são envolvidos por sentimentos de culpa "antecipada" ou ansiedade por causa do fim, como um meio inconsciente de ser capaz de suportar os desafios por ser o cuidador. Da mesma forma, os pacientes diagnosticados com doenças terminais pode experimentar a dor antecipatória enquanto se preparam mentalmente e espiritualmente para o resultado previsto.

Aqui estão três dicas úteis para lidar com a dor antecipatória:


1. Encontre o apoio de que necessita. A dor antecipatória é em grande parte desconhecida ou mal compreendida. Portanto, você terá que atentamente reunir a família e os amigos em sua volta para que entendam, tenham paciência para ouvir e ofereçam apoio.


2. Espere a tristeza vir de formas inesperadas. Depois de uma das situações de coma de meu pai, eu desenvolvi um impulso imediato para dormir. Isso continuou por semanas após a crise e nunca aconteceu desde então. Esteja ciente de como seu corpo está reagindo à mistura de emoções que vêm com a dor e valide seus sentimentos.


3. Seja gentil com você mesmo. É preciso tempo e esforço para resolver o problema da dor. Entregando-se a vícios, como o álcool ou drogas, só vai adiar o progresso. Procure ajuda profissional se seu sofrimento é debilitante. Gentilmente se esforce para permanecer ativo socialmente e encontre oportunidades de sair e fazer exercício.

A verdade é que nenhum de nós pode prever como vamos reagir a uma perda. Nossa dor pode ser tão individual como as cores em uma caixa de lápis de cor.
 Quanto mais nos familiarizamos com o sofrimento antecipado, mais estamos preparados para lidar com qualquer perda que vier a caminho. Como um autor desconhecido escreveu: "O sofrimento não é um sinal de fraqueza, nem uma perda de fé, é o preço do amor." E devo acrescentar... Um preço que vale a pena pagar.

 Traduzido e adaptado por Jaguaraci N. Santos do original 3 ways to cope with anticipatory grief - the loss that hasn't happened, de Nancy L. B. Lundgreen.

2 comentários:

  1. Olá querida amiga Zelinda,
    Graças a Deus, nunca passei e espero nunca passar por essa situação. Mas a credito que deve ser extremamente doloroso para quem vive/viveu um momento assim, tão difícil, sofrer a dor da perda de um ente querido mesmo antes de sua partida. É preciso ter muita força, entendimento, fé, e ainda assim, nunca estaremos preparados para a morte. Penso que, manter o pensamento positivo é de fundamental importância, para que se possa enfrentar essa fase de grande sofrimento. Desanimar jamais, pois enquanto há vida, há esperança, assim acredito.
    Muito oportuno esse texto e, sem dúvida, ajudará muitas pessoas.
    Obrigada amiga, pelas frequentes visitas ao meu blog, pelas tuas lindas palavras e o carinho que me dedicas, especialmente pela tua sincera amizade. Vc é muito querida e especial para mim.
    Um abraço muito carinhoso. Feliz primavera!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amiga Ilca..
      Eu e que agradeço pela força que sempre esta me dando com seus comentários tão cheios de sabedoria e com muita sinceridade.
      Eu também gostei deste texto e sei que vai ajudar muitas pessoas que estão vivendo esse momento.
      Amiga lindas flores nesta primavera com muita Paz e Luz.
      Bjss te amo...

      Excluir