Seguidores

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

A dor da perda



Não existem palavras, línguas, gestos ou mesmo pensamentos que possam expressar a dor da perda. Ela é tão profundamente dolorida e fere a alma com esmero desmedido, cortando lenta e dolorosamente com o lado cego da faca.

A dor é fenomenal, incrívelmente dor, extraordinariamente dor, fatalmente dor. É dor, dor, dor, somente dor. E não cede, não acalma, não dá trégua. E a alma se contorce, revolve, chora, berra e geme em lamentos surdos, que tomam o corpo, que fazem cambalear e entontecer o espírito.

A dor da perda não tem som, não tem voz, e invade o âmago do ser silenciosa e cruelmente fazendo doer e adoecer o corpo. Massacra a alma a tal ponto de tudo ao redor perder o sentido. Tudo. Tudo perder o sentido e o brilho da vida.
Os olhos olham mas nada vêem, os ouvidos ouvem sem nada ouvir, os braços caem sem sentir qualquer amparo, qualquer sussurro de compreenssão, de entendimento.
Somente o gosto do sangue da dor é percebido no fundo do coração que sangra, falece e se afunda no fundo da terra, do pó.
E tudo vira dor profunda e cortante como o fio de uma navalha. Os sentidos perdem a razão de ser. Robotizamos o corpo e caminhamos, perdidos e anestesiados de lá prá cá, de cá prá lá, desnorteados, confundidos, atordoados e completamente perdidos de nós mesmos. Esquecidos de tudo e de todos, menos da dor que rasga, dói e arranha o coração até o sangue jorrar em lágrimas profusas e gritos inaudíveis.

A dor da perda cala fundo e faz sepultura da alma onde desejamos ardentemente nos enterrar, em silêncio absoluto, em escuridão infinda, em adormecer eterno. Faz desejar a morte e buscar o fim de tudo, inclusive de si mesmo, para calar... a dor... 
Não existem palavras que definam a intensidade da dor da perda. Ela é tão incrivelmente dor que perdemos a definição e a expressão do que sentimos. Nada mais importa. Nada. A dor da perda é pesada demais.
Impossível de se carregar solitariamente. 
Por isso, por tudo isso, havemos de buscar forças para suportar a dor da perda, por mais profunda, pungente e dolorida que seja, por mais aterradora e insensível... 
Havemos de nos resguardar da dor, de acordar e lutar para viver, mesmo a alma em soluços, mesmo que o espírito, anestesiado pela dor, perca a vontade de lutar e continuar a viver... havemos de nos resguardar da dor no alento dos braços do amor, que é o único que torna possível tudo, por ele, com ele, suportar...


professor Galvão

6 comentários:

  1. Que texto e quantas palavras verdadeiras Zelinda...

    Professor Galvão descreve exatamente o que é a dor da perda.
    Uma vida sem cor,um sorriso sem brilho um amanhã sem sentido e um agora insuportável...
    Por hora conseguimos e no mesmo instante a realidade que nos invade a alma nos sufoca ha um tanto que a única maneira de seguir é você acreditar que o reencontro é certo e que a vida continua atrás das cortinas.
    E é assim que vou caminhando eu me encorajando todos os dias e me dando força pra me provar se cheguei até aqui é que posso ainda mais e se não consigo por mim só que seja pelos que precisam e contam comigo.Enorme e carinhoso abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. Oi minha querida..
    Realmente ele escreve com muita profundidade sobre a dor essa dor tão doida que nem sabemos explicar, as pessoas só tenham uma noção a dimensão é só quem esta vivendo..
    Foi muito feliz com o teu comentário que sempre me emociona.
    Estou sentindo no meu coração uma nova criatura que se chama Sandra e que está dando os primeiros passos nesta árdua caminhada..
    Uma semana com muita LUZ junto com sua linda família..
    Te amo bjss...

    ResponderExcluir
  3. Olá querida Zelinda,
    Impactante esse texto, palavras fortes... A dor da perda de um ser amado, nunca se vai. No meu caso, vivo ou sobrevivo, imersa nessa dor desde o dia em que minha Thais partiu. Talvez o tempo possa abrandá-la e serenar meu coração, mas o imenso vazio e a saudade, esses serão eternos. Me apego aos momentos felizes vividos junto da minha filha, é o meu maior consolo, nutrindo-me de força para seguir adiante. O amor não morre jamais!
    E vamos vivendo! ... Que Deus sempre acalente nossos corações!
    Um beijo, amiga. Abençoado domingo para ti.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi minha amiga querida..
      Obrigada pelo teu comentário , realmente a dor da perda de um ente querido nunca se vai nós conseguimos colocar essa dor em um lugar especial dentro do nosso coração e carrega-la 24 horas aonde nós estivermos.
      O amor do nosso ente querido faz parte na nova vida e da nossa historia, nunca vai morrer, em todos os momentos das nossas vidas e sempre vamos sentir a sua presença seja em um perfume de uma flor, em um sopro suave em nossa face, ou em sonhos vamos ficar muito atentos nestes sinais enviados por DEUS..
      Uma semana de muita Luz com os Santos Anjos e com o teu filhote querido Tiago..
      Bjss, te amo..

      Excluir
  4. Zelinda, meu anjo, somente um coração sensível como o teu consegue postar textos tão profundos, significativos, que tocam nossa alma no mais profundo do ser. Diante de um texto como este, tão completo, só nos resta refletir, refletir, refletir...
    Deixo-te hoje muitos sorrisos e muitas estrelas, enfeitando o teu final de semana, e agradecendo por esse olhar iluminado que sempre deixa um rastro de luz quando passa em meu cantinho.
    Com carinho,
    Helena

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi minha querida..
      Não sei nem como agradecer as visitas e teus comentários tão cheios de amor e de carinho..
      A gente só cresce quando encontra pessoas como vc amigos virtuais, que nos apoiam e dizem palavras que nos emocionam..
      A nossa estrela maior HELENA, que continue enviando esses raios de Luz que nos fortalecem sempre...
      Te amo bjss..

      Excluir