Seguidores

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Morrer vivendo


Aprender a viver e a morrer, essa é a grande missão que cada homem deve ser capaz de cumprir, na mais profunda solidão
As flores, as árvores, os animais, os homens e mesmo as estrelas nascem, vivem e morrem. Apenas nós, os homens, deixamo-nos atormentar por esse mar misterioso onde desaguam todos os rios da vida.
Dois mil anos atrás, Lucio Aneu Sêneca nos ensinou: “Deve-se aprender a viver por toda a vida e, por mais que tu talvez te espantes, a vida toda é um aprender a morrer”.
Aprender a viver e a morrer, essa é a grande missão que cada homem deve ser capaz de cumprir, na mais profunda solidão, exatamente naquela solidão insuperável que nos torna únicos.
Vida e morte, dentro de cada um de nós. Todo o tempo, nascem e morrem ilusões, sentimentos, descobertas, crenças, agonias. Impossível vida interior sem morte interior.
Viver é morrer. Morrer, todos os dias um pouco, é viver. Essa infindável sucessão dialética de morte e vida, sempre presente dentro de nós, alarga nossa compreensão da vida e de seu fim.
Aquele que não se desencanta é porque nunca se encantou. O conhecido morre diante do desconhecido. O canto dos pássaros mata o silêncio. O saber é a morte da ignorância. Impossível viver a magia sem deixar de viver o real.
Sem paixão, sem vontade, para que serve a razão? Nossos desequilíbrios são sempre provocados pela morte temporária de uma dessas três senhoras.
A noite, o sono e o descanso são uma espécie de morte diária, assim como o dia e o despertar anunciam o fim do repouso.
Alguém já disse: “Não se vive sem respirar, mas não se vive apenas para respirar”. Viver como as plantas ou os animais é pouco.
O humano é exatamente aquilo que escapa das leis da Física, da Química, da Biologia e mesmo da Economia. O humano é a consciência do universo que nasce, cresce, vive e ao silêncio do mistério retorna.
É triste o espetáculo encenado pelos mortos-vivos (zumbis?), incapazes de sonhar e dar vida ao humano por medo da morte.
Não sabem os tolos, que imaginam se preservar, que é impossível a vida sem a morte, que o medo em excesso impossibilita o pleno viver.
Unir o sentir, o pensar e o fazer. Amar as grandes perguntas é grande prazer para o homem, mas se constitui em verdadeiro tormento para os homens zumbis. Burocratas do impossível de ser normatizado, oportunistas sem ideal. Respiram para viver e tristemente vivem para respirar.
João Guimarães Rosa descreve muito bem o homem de alma pequena: “Ali tinha carrapato...que é que chupavam, para seu miudinho viver?”.
Fernando Pessoa mostra o caminho para a autoconstrução do humano: “Deus ao mar o perigo e o abismo deu, mas nele é que espelhou o céu”.
Morte ou vida, em vida! Opção de cada um?
Para os que ousam escalar a montanha, o horizonte é o prêmio. Do alto se pode ver mais longe, observar a planície, respirar o ar puro, aceitar e compreender todas as mortes que suportam a vida e, finalmente, morrer com um sorriso nos lábios. Haverá prêmio maior?
Oriovisto Guimarães é membro da Academia Paranaense de Letras.
Publicado em 19/02/2011 na Gazeta do Povo

3 comentários:

  1. Olá Zelinda, minha querida!
    Que mensagem mais linda!... Quanta sabedoria!
    A vida e a morte caminham juntas, e não devemos temer a morte, todos sabemos que um dia morreremos e temos sim que nos preparar para o inevitável.
    Por isso devemos viver bem para morrer bem, vivendo com dignidade, perdoando sempre e praticando a caridade e o amor ao próximo... e a fé é necessária. Muita fé!
    A vida é efêmera! Estamos aqui de passagem.
    Quem vive bem irá morrer bem... e viver bem é apenas uma questão de escolha!

    Deixo esta frase de Steve Beckman: "Você faz suas escolhas, e suas escolhas fazem você."

    Bela postagem!... Parabéns!!
    Beijo grande!

    ResponderExcluir
  2. Ilca querida.
    Muito obrigada por tanto carinho no comentário,
    lembro muito de vcs nas minhas orações.
    Com carinho...

    ResponderExcluir
  3. Meu livro "Reencontro" fala bastante sobre perdas... Perdas emocionais, físicas (morte e distância)... Fiquei emocionada ao escrever, relembrar... "Somos seres finitos que não sabem entender finais." Seriam finais recomeços, no fim do fim?

    Convido todos vocês a lerem meu livro. Hot site: www.leilakruger.com.br
    Já à venda no site da editora Novo Século www.novoseculo.com.br, seção Lançamentos, e na livraria Saraiva (www.saraiva.com.br), só digitar Leila Krüger (meu nome) na busca, em promoção o livro. Dia 25/11 é o lançamento oficial em Porto Alegre. Acho que quem se importa com temas de perda vai gostar...

    Será que poderia haver um espaço pra divulgar meu livro aqui?

    Abraço,
    Leila.

    ResponderExcluir