Seguidores

segunda-feira, 23 de maio de 2011


Tão só

"Fiquei arrasada ao perder meu marido, o qual era meu melhor amigo, Não há palavras que possam descrever a solidão e a desolação que eu sinto. Completamos cinquenta e dois anos de casados, e eu sinto como se tivesse perdido uma parte de mim mesma."
"Pensei que estivesse preparado para a morte e para estar sozinho, mas depois de trinta e cinco anos de matrimônio penso que é impossível estar preparado."
"Quando todo o mundo voltou para casa após o enterro, eu me sentia totalmente perdido e triste. Eu não sabia o que fazer. Voltei a trabalhar logo depois, mas fiquei terrivelmente cansado e me dava vontade de chorar por qualquer coisa. Eu me sentia culpado. Eu me sentia vazio."

A morte é uma afronta. Intelectualmente nós podemos tentar nos enganar pensando que a morte somente faz parte do ciclo da vida, mas quando bate a nossa porta entramos em choque. Nós não esperamos a morte, e sua irrevocabilidade pode ser aterrorizante.
O luto é um processo longo. Não nos recuperamos em dias ou semanas, como se acabássemos de sair de uma gripe. Precisamos de muito tempo para nos acostumarmos com a perda de alguém que era parte integrante de nossa vida.
A perda desencadeia sentimentos fortes. É comum as pessoas pensarem que estão enlouquecendo, mas sentimentos confusos são perfeitamente normais. Outro sentimento comum e que, por vezes, surpreende, é a raiva. Pode ser raiva do ente querido por ter falecido ou, até mesmo, duma coisa trivial como não ter cortado a grama 'antes de sair e sofrer um acidente!'
Não importa se nossa fé é fraca ou forte, temos direito a nos sentirmos abandonados. Perder alguém que nós amamos, nos deixa com um sentimento de vazio e as pessoas deveriam dar valor a isso. De qualquer forma, é o preço que pagamos pela dádiva do amor humano.
A morte é parte natural da vida. Permite que nosso espírito passe além da morte.
Deus compartilha de nossa dor. Deus está conosco na profundidade da dor da perda, da raiva e da confusão.

"Experiences of Bereavement", Helen Alexander

Nenhum comentário:

Postar um comentário